[PRÉ-VENDA] Da Arte do Belo

Clique no botão ao lado para assistir o video relacionado ao produto.

Assistir Video

[PRÉ-VENDA] Da Arte do Belo

Frete Grátis
Código: daartedobelo-prevenda Marca:
3x de R$ 25,00
R$ 85,00 R$ 75,00
Comprar Estoque: Disponível
    • 1x de R$ 75,00 sem juros
    • 2x de R$ 37,50 sem juros
    • 3x de R$ 25,00 sem juros
    • 4x de R$ 20,17
    • 5x de R$ 16,37
    • 6x de R$ 13,84
    • 7x de R$ 12,03
    • 8x de R$ 10,67
    • 9x de R$ 9,62
    • 10x de R$ 8,78
    • 11x de R$ 8,10
    • 12x de R$ 7,53
* Este prazo de entrega está considerando a disponibilidade do produto + prazo de entrega.

Atenção: produto em pré-venda com frete grátis. Entrega será realizada de 3 a 6 de setembro de 2018.

     O homem é um animal de contemplação, de ação e de produção. Das obras que produz, umas são para uso ou benefício do corpo – são as artes chamadas servis –, enquanto outras são para uso ou benefício de seu espírito – são as artes ditas liberais. Entre estas, há aquelas que, mediante o belo, visam a fazer o homem propender ao bom e ao verdadeiro, e, mediante o horrendo, visam a fazê-lo afastar-se do mau e do falso: são as Artes do Belo, ou seja, a Literatura, o Teatro, o Cinema, a Música, a Dança (= Balé), a Pintura, a Escultura e, por certo ângulo, a Arquitetura.

     É inegável a importância das Artes do Belo para a constituição de uma sã personalidade e para a formação da civilização. Vemos o Gênesis referir a invenção da arte da cítara e da flauta. Vemos as epopeias homéricas contribuir para a educação ético-política de gerações na Grécia antiga. Vemos a arte de Virgílio servir de alicerce para o Império Romano. Vemos os templos cristãos ser como “museus” de todas as artes em ordem à salvação das almas. Mas também vemos Platão, Aristóteles, Agostinho, Boécio, Tomás de Aquino estudá-las filosoficamente, com o que fundam uma ciência que se pode chamar poética e que se subordina à Lógica, à Política, à Teologia Sagrada.

     Mas a perversão das Artes do Belo tampouco deixa de estar presente ao longo da história, e vemo-la particularmente presente nos momentos de decadência civilizacional ou de revolução. Pode dar-se ou mediante o uso das melhores técnicas artísticas para um fim indevido – fazer propender ao mau e ao falso – ou mediante a feiura pura e simples. Ambas as coisas já se vêm dando, no Ocidente, desde há alguns séculos, mas a partir do início do século XX as Artes do Belo foram como que ocupadas por um feio que se quer vender como belo. É o que o historiador italiano da filosofia Giovanni Reale chama tão propriamente “a diluição das formas”: a cacofonia sonora quer passar-se por música; angulosas contorções corpóreas, por dança; rabiscos ou olhos postos nos pés, por pintura; o esdrúxulo arquitetônico, por templos; e assim sucessivamente.

     Insista-se, porém: assim como as Artes do Belo são fundamentais para a formação da personalidade e da civilização, assim também suas perversões são a base para sua destruição. Acrescente-se que tais perversões não raro, especialmente a partir do século XX, se acompanham de doutrinas que as querem justificar, e ter-se-á uma das razões do atual estado de coisas no mundo. Para agravar o quadro, ademais, temos que até filósofos tomistas acabam por contribuir para essa situação dramática ao aderir à doutrina segundo a qual as Artes do Belo não têm por fim último senão fazer obras belas. Mas também a joalheria ou a costura podem produzir obras belas, e nem por isso se dizem Artes do Belo, além de que negar que o fim último destas artes seja fazer propender ao bom e ao verdadeiro é negar o dito pelos maiores filósofos de todos os tempos e pelos mesmos maiores artistas de todos os tempos.

     As Artes do Belo ou são produtoras de formas mimético-significantes e belas cujo fim último é o dito acima, ou simplesmente não o são: porque, se o são, são virtudes, e, se não o são, são vícios, e nenhum vício pode constituir propriamente arte alguma.

     O livro Da Arte do Belo é um livro de ciência poética que retoma, aprofundando-a grandemente, a doutrina de Aristóteles e de Tomás de Aquino, sem deixar de levar em conta, porém, a de Platão, a de Agostinho, a de Boécio, e ainda a de filósofos modernos, como a neokantiana Susanne Langer. Nele, mostra-se o que são as Artes do Belo, suas propriedades, seus fins; o que é o belo e se é objetivo; por que e em que se distinguem as diversas formas ou espécies destas artes; e ainda que é possível aprender a apreciá-las quando efetivamente o são, e a evitá-las quando por qualquer motivo não o são.

     Da Arte do Belo é mais um marco do projeto de Carlos Nougué de tratar em livro todo o implicado no antigo Trivium – aperfeiçoando-o e atualizando-o como devido – que não tenha sido tratado assim por Tomás de Aquino. O primeiro foi a Suma Gramatical da Língua Portuguesa; o segundo é este, Das Artes do Belo; os seguintes serão a Suma Retórica, a Suma DialéticaO Tratado dos Universais e Da Figura do Silogismo.

     Pouco antes da publicação de Da Arte do Belo, lançar-se-á As Artes do Belo, documentário de Viviane Princival e Jean Wichinoski, com argumento e participação de Carlos Nougué.  O filme, baseado no livro Da Arte do Belo, ficará disponível gratuitamente para todos, na Internet.

Atenção: produto em pré-venda com frete grátis. Entrega será realizada de 3 a 6 de setembro de 2018.

3x de R$ 25,00
R$ 85,00 R$ 75,00
Comprar Estoque: Disponível
Pague com
  • PagSeguro
Selos
  • Site Seguro

Marcel Assunção Barboza - CNPJ: 21.521.569/0001-72 © Todos os direitos reservados. 2018